Sobre os olhos já sem brilho, moribundos
Pairam nuvens carregadas de saudade
Abissal escuridão de eternidade
Alimenta-me duríssimos segundos

De trovões os estampidos furibundos
Ensurdecem, gritam tanta hostilidade
Não demora em mim rugir a tempestade
Arrasando o que restou de belos mundos

Quanto mais revolvo escombros, mais definho
Menos quero resistir ao torvelinho
Que destroça, pouco a pouco, sentimentos

Implacáveis, as torrentes de tristeza
Agigantam-se em meu peito e, com braveza
Lançarão de mim o fel dos desalentos

Exibições: 6

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Membros

Poema ao acaso...

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...