Eu escritor?
Sei não! Sinto necessidade de jogar-me no papel, deitar meu coração nas páginas e, deixá-lo falar, falar, falar! Penso que não seja poesia, seja apenas o meu coração que grita, por não saber o que fazer com os sentimentos. Então, vou soltando, colocando rima e ritmo, no final nasce um poema... Será?
Eu escritor? Sei não! É muito mais um transmutar, um desafogar da alma, pois o que sinto é insuportável, a tristeza (minha ou não) joga-me num canto, num local escuro e, só fugindo para a escrita...

Idem para a alegria, numa emoção desvairada, só fugindo para a escrita...

(Chorei, gritei, pulei sozinha, pelo ouro do Brasil, chorei convulsivamente, assim foi)
No fim, para mim, creio que escrever não é arte e sim terapia...
De repente, nestes tempos modernos, escrever do sentimento, das coisas que se vive, dizem,
é também fazer poesia, sei não!  Será?

Eu juro...

Eu juro que sinto a tristeza do mundo,

para em seguida cair na alegria dos loucos.

Não é possível viver assim, é desastroso.

Só escrevendo, jogando na lousa o absurdo!

Maria Iraci Leal/MIL
POA/RS/Brasil
21/08/2016
Obra protegida

Exibições: 192

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de Mônica do S Nunes Pamplona em 11 setembro 2016 às 22:35

Tanto sentimento a se esbarrar, dentro do peito! 

A escrita, é o estopim sensato, a explodir, de dentro pra fora, todas tuas emoções. Dando ênfase às tuas linhas, instrumento este que te classifica, como grande escritora e poetisa, que és.

Magnifico, texto.

Sempre a encantar.

Bjsss, minha querida.

Comentário de Fernando José Corte Real Azevedo em 7 setembro 2016 às 4:38

Eu sei que sim Mil e escreves com alma...a tua escrita flui como um rio que nos canta uma canção...que nos embala....que toca o coração. Para mim a estética das palavras não é tudo...tenho muito mais apego ao conteúdo...ao sentimento que elas provocam no meu íntimo e quando consigo enxergar o cenário do quadro que o escritor pintou com a sua própria essência...aí sim, detenho-me e fico tempos a desfrutar dessa dádiva que me enche de luz e inspiração. Sempre que leio algo profundo e maravilhoso...nascem em mim outros mundos, que não são mais do que uma visão de tudo o que se esconde por detrás dessa porta que se abriu no meu modo de ver e sentir todas as coisas. Se lhe chamam Poesia...pois bem sou Poeta...mas se lhe derem um outro nome...serei aquilo que dizem que sou...seja o que for, em tudo sou humano, aquele que deixa o que sente e vê, exposto aos olhos do mundo. E partilhando tudo o que tenha sido extraído por mim ,dessa mina a que chamam de inspiração, aí eu sou o criador...o artista...autor e escritor. Parabéns MIL pelo tópico e pelas palavras...sentimentos...que partilhaste.

Comentário de Miriam Inés Bocchio em 28 agosto 2016 às 16:20

Comentário de Maria Iraci Leal em 22 agosto 2016 às 18:29

Muito grata a todos pela querida presença e palavras tão belas e incentivadoras, um beijão para cada um, mil gracias do fundo do meu coração, MIL.

Comentário de Rafael Mérida Cruz-Lascano em 22 agosto 2016 às 17:51
Un gusto leerte: Bellos Sentimientos.

Comentário de Marcia Portella em 22 agosto 2016 às 13:05

Sua alma cantou como nunca,sem "fugir da escrita" pois você é a própria...Te abraço

Comentário de Loubah Sofia em 21 agosto 2016 às 19:34

Comentário de Loubah Sofia em 21 agosto 2016 às 19:34

Muito me emocionaram suas palavras MIL, pela delicadeza assertiva, mas sobretudo pela extrema sensibilidade

sua poesia é uma fotografia d'alma poeta, dos criadores de mundos que só são possíveis entrar através da mente

dos artista da palavra assim feito você.

Agradeço querida por essa notável leitura. bisous.

Comentário de Sílvia Mota em 21 agosto 2016 às 16:35

Definir o poeta é tentativa vã de abarcar as estrelas com as mãos.

Somos sentimento em palavras, escritas ou faladas... ou até mesmo pensadas. Isso basta!

"Eu juro...

Eu juro que sinto a tristeza do mundo,

para em seguida cair na alegria dos loucos.

Não é possível viver assim, é desastroso.

Só escrevendo, jogando na lousa o absurdo!"

Teu juramento é um poema, por si só.

Parabéns, poeta e escritora Maria Iraci!

Beijossssss

P.S. Pena, que a Tertúlia acabou e até já entreguei os prêmios!

De qualquer forma, inserirei na página do Edital, um link para o teu belo texto poético.

Comentário de Maria Iraci Leal em 21 agosto 2016 às 13:05

Dione Fonseca de Barros

Verdade minha querida Dione... E isto é ser poeta, ainda não entendi bem o por quê, hehehehehe, um grande beijo pra ti e muito grata pelo carinho, MIL.

© 2019   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço