Maus poetas - serão poetas?

Não aceito esta possibilidade...

Eu-poeta habito dimensão sui generis
mágica - espinhosa e arriscada - única
onde não sobreviveriam incólumes
os demais seres humanos.

Tanto os céus quanto os infernos
trafegam na ponta da minha língua.
Meu sorriso é tão belo
quanto a dor que exorcizo ao rosto.

Se escorrego no limite da palavra
salvo-me nas vírgulas, ou nos pontos finais
e ao anseio de imortalidade
desenho-me em reticências...

Os sons do meu silêncio
abafam barulhos dissonantes.
Enxergo no escuro luzes latentes
e assopro brilhos inconsistentes.

Vida, morte e renascimento
sem o auxílio de ninguém...
Ofereço sentido às palavras
e faço-me louca e divinal.

Causa e Efeito.
Poesia.
Amor.
Paz.
Sim... meramente louca!

Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz

Rio de Janeiro, 28 de novembro de 2011 - 12h

Exibições: 101

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de Evandro Jorge do Espirito Santo em 23 setembro 2016 às 9:03

Reflexivo poema ! "é como diz o Ditado Popular: (DE POETA E LOUCO TODOS TEM UM POUCO)" /// PAZ E BEM MINHA LINDA POETISA ! BEIJUSSS

Comentário de Zeca Feliz Avelar em 22 agosto 2016 às 9:57

Responde u'a singela Rima à tua Poesia
co'a tristeza abraçada à sua doce alegria:
- É preciso a Loucura acima da normal quota
- É precisa a Poesia se assinada: Silvia Mota!
.
E a mesma rima - loucamente ainda diz assim:
Poeta e Poesia são a um tempo: Principio e Fim!!
***
gaDs!
***
MAGISTRAL inspiração Poeta e Menina Silvia...
ALMAS feitas Poesias a Aplaudem surdamente!!!
***

Comentário de Helder Gonçalves em 9 agosto 2016 às 20:57

Comentário de Críspulo Cortés Cortés em 2 agosto 2016 às 6:36

Comentário de Lais Maria Muller Moreira em 29 julho 2016 às 21:14

O racional e o irracional que nos habita altamente poetificado

Linhas vivas e efusivas transbordantes de emoção, como a taça que transborda a última gota.

Sensacional querida Mestra!

beijos

Comentário de Zélia Mendonça Chamusca em 2 dezembro 2011 às 19:51

Querida Silvia Mota,

De poeta e louco todos temos um pouco mas uns mais que outros.

Só de si, Grande Poetisa, poderia sair uma loucura de poema!

Parabéns!

ZCH

Comentário de Mônica do S Nunes Pamplona em 28 novembro 2011 às 16:56

É a loucura mais equilibrada que conheço. Entre tantos "normais" que evidenciam uma vida sem sentimento. O poeta pode dar-se ao desfrute dessa loucura equilibrada.

Loucamente poético e belo teu poema.

Parabéns.

© 2019   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço