Fúria

Arrancas do peito disforme

o coração vivo de sangue

que sob o formato de rosa

não perfuma jamais.

Cospes no infortúnio

vitimizado pela dor

ainda que te suplique

luz e compreensão.

Nada mais tem sentido

e um orfeão de demônios

em óperas dantescas

repercute no ar.

Não mais se afasta

o paraíso enlutado

parco plenilúneo

da emoção que finda.

Lágrimas tamborilam

no átrio da saudade

que salpica tristeza

em doída lembrança.

É o fim.

Nefertiti Simaika

Rio de Janeiro, 20 de setembro de 2016 - 14h45

Exibições: 55

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de Lúcia Cláudia Gama Oliveira em 11 março 2017 às 23:51

 " no átrio da saudade..."

 Bela canção querida poeta!

 Bjssss

 

Comentário de Críspulo Cortés Cortés em 21 setembro 2016 às 4:08

Comentário de Maria Iraci Leal em 20 setembro 2016 às 17:10

Nefertiti Simaika

Um poema sentido,

letras belíssimas,encantada,

parabéns estimada poetisa, bjs MIL.

Membros

Designers PEAPAZ

*Sílvia Mota*

*Margarida*

*Nara Pamplona

*Livita*

*Imelda*

*Toninho*

Poema ao acaso...

Visitantes

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço