Habita o coração uma agonia amarga
Que vem como punhal insidioso, agudo
Sangrando as emoções, despedaçando tudo
Despenca sobre mim insuportável carga!

Aos olhos falta luz, o desalento embarga
Lamúrias não têm voz, o meu protesto é mudo
Neste silêncio há dor e mesmo assim me iludo
Reminiscências são como uma trilha larga

Sofrido sonhador os pedregais palmilho
Choroso, firo os pés nesta jornada inglória
Amor, buscando a ti, encarno um andarilho

Penoso, aterrador suplício... Sigo, escória
Saudade me conduz e não me desvencilho
Do que me faz lembrar da nossa linda história

Exibições: 14

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Membros

Designers PEAPAZ

*Sílvia Mota*

*Margarida*

*Nara Pamplona

*Livita*

*Imelda*

*Toninho*

Poema ao acaso...

Visitantes

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço