Tento em vão afastar as lembranças

Abrandar a saudade ferrenha
Mas o peito teimoso se empenha
Em seguir nas sofridas andanças

Coração sente o gume de lanças
Dos suplícios medonhos desdenha
Ilusões incontáveis desenha
Mesmo sendo um altar de matanças

Enxurradas escorrem no rosto
É de amarga tristura esse gosto
Piedade de mim não tiveste

Tantas súplicas tolas endosso
Arrancar gostaria e não posso
Tudo aquilo que um dia me deste

Exibições: 14

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Membros

Designers PEAPAZ

*Sílvia Mota*

*Nara Pamplona

*Livita*

*Margarida*

 *Imelda*

*Toninho*

Poema ao acaso...

Visitantes

Liv Traffic Stats

Mídias Sociais

View Sílvia Mota ***'s profile on LinkedIn

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço