Medo

Antes
eu era apenas uma escrava
até que a brisa
de um mar sereno
soprou areia onde eu me deitava
e perfumou o meu corpo moreno.

Eu fui seguida
por um pescador profano
e depois de alguns
anos
eu virei mulher.

Uma ninfa de água corrente
um botão
de rosa no mar a flutuar
uma total ausência de sentido
e um sentir
de quem ja não sente.


Um animal ferido em ação
um desespero infinito
por pensar

neste vazio que eu persigo 

até na mais completa escuridão

do meu lar.

SorrisodeRosas

Exibições: 36

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de Iván em 26 abril 2017 às 11:19

La soledad suele ser espaciosa habitación. 

Y en sus muros... los recuerdos. 

Imposible... no mirarlos.

Y en el silencio... el alma gime.

Como silenciosa oración.

Un grito que podría derribar las columnas del cielo. 

Un grito que no conoce el sol.

Vive en la profundidad del corazón. 

Amor fuerte.

Despertó el temor.

Pero, se justifica. 

Son duras lides del amor. 

La pelea es feroz. 

Debe ganar el coloso del amor.

Gusto de leerte, SonrisodeRosa. 

Espero haber interpretado bien. 

Que tengas buen día. 

Membros

Aniversários

Aniversários de Amanhã

Designers PEAPAZ

*Sílvia Mota*

*Margarida*

*Nara Pamplona

*Livita*

*Imelda*

*Toninho*

Poema ao acaso...

Visitantes

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço