Dos confins da terra

Do principio de tudo,
Das alvas manhãs
Onde aves livres, voam.
Homem Guarani ali conserva
Genuíno, sua nudez - Assim povoam.

Meu amor vem de longe:

Do uivar dos lobos ao vento,
Em harmonia com outros gritos,
De tudo que por ali prolifera,
Na imensidão virginal da Terra,
Grandeza sinfónica em movimento,
Suprema omnipotência, tudo prospera.

Meu amor vem de longe:

Nas suas veias corre a essência
Da pureza, do genuíno imaculado
Que, em gerações tal sinal foi-lhe dado,
No uivar dos lobos, do Homem livre
Que, ali, o bastão lhes foi prestado:
 Seguir obra dos Deuses, ficou jurado!

Meu amor veio de longe:

Confronto, com mundo bem diferente
Seus valores, raízes – Cultura de antanho
Em violento choque, com dor sobrevive
Na luta perene - A limpidez do diamante,
Na essência da mãe natureza, seu ditame:
Simplicidade da vida e honra flamante!

Meu amor foi para longe.

 

 

 

 

Exibições: 40

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de Helder Gonçalves em 20 maio 2017 às 19:29

Bem Hajas querida Silvia Mota por tanto reconhecimento que me concedes. 

Comentário de Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ Sílvia Mota Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ em 20 maio 2017 às 10:25

Sentimento dramático, que retira da força da Natureza a seiva da sobrevivência.

"Meu amor vem de longe:

Nas suas veias corre a essência
Da pureza, do genuíno imaculado
Que, em gerações tal sinal foi-lhe dado,
No uivar dos lobos, do Homem livre
Que, ali, o bastão lhes foi prestado:
 Seguir obra dos Deuses, ficou jurado!"

Belo. Eloquente.

Parabéns!

Beijosssssssssss

Membros

Poema ao acaso...

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...