Jornalismo de resultados

     J. A. Medeiros da Luz

Embora não venha ao caso,

Isto que acerca de você escrevo,

Ó timorato coração,

É verdade pura, mas

"Podemos tirar, se achar melhor"...

 

Ouro Preto, janeiro de 2018.

Do livro:  Martelo de cristal, a sair pela Jornada Lúcida Editora.

Exibições: 41

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de José Aurélio Medeiros da Luz segunda-feira

Cara Margarida: obrigado pelos votos.

Quanto ao intento, afinal, nessa peleja com as buliçosas palavras, somos como aquela professora de música das classes infantis: temos que transformar a irriquietíssima energia de cada elemento na polifônica melodia do coral, harmonizando timbres e arpejos. Se formos eficazes na empreita, o resultado é o enternecimento de uma leva de corações. E isso é que é prêmio para valer, não?

Abraço do j. a.

Comentário de MARGARIDA MARIA MADRUGA segunda-feira

Desejo que seu intento seja alcançado, caro Poeta.

Comentário de José Aurélio Medeiros da Luz domingo

Obrigado, caro Almada, pelo incentivo.

Meu nível de destreza com o idioma de Castilla me obriga a lhe responder naquele do Condado de Portocale. Nos dias de hoje este poemeto é um gesto impaciente de protesto. Via de regra, evito contaminação da peça literária com a política rés-do-chão de nosso mundo sublunar. Não resisti e capitulei, desta vez. Não sei se as alusões, da conjuntura brasileira atual, que faço nesse poemeto extrapolaram as fronteiras do Brasil. São alusões a “pérolas” de membros da magistratura baseadas em conveniências partidárias (primeiro verso) e à flexibilidade das versões de certos jornalistas, mostrando maior comprometimento com os interesses do patrão que com a verdade (último verso). Acaba-se reduzindo a verdade a argumento ajustado ao leito de Procusto, para ficarmos na clássica alusão da mitologia dos helenos. Afinal espero que, quando a inexorável poeira do tempo delir a hipertextualidade do dito poema, o mesmo consiga se sustentar como peça autônoma; barrilete à deriva após naufrágio, mas flutuando por correntes empurradoras para as praias douradas da esperança...

Comentário de Elías Antonio Almada domingo

Mauro M. Santos

Graça Campos

Carlos Saraiva

José Santiago

Lilian Reinhardt Art

De Luna Freire

Visitantes

Liv Traffic Stats

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço