Meu Trás-os-Montes

 

Numa tarde de silêncio e calmaria

Mal buliam as folhas dos olivais

Ao sol abrasador do meio-dia

Num ouro fulvo, ondeavam trigais

 

Os sobreiros quietos e sossegados

Dão pequenas sombras aos trigais,

Nessa paisagem, de amarelos dourados

Rapazes e raparigas fazem arraiais,

 

Tudo é casto e sedutor nessa miragem

Mais parecendo a tela de um pintor !

- Esta terra agreste, dura, e de coragem

 

Faz parte do folclore de minha terra,

- Onde é a gaita de fole, quem nos convida,

A ceifar o nosso trigo, ao pé da serra !

 

São Paulo 14/02/2017 (data da criação)        
Armando A. C. Garcia

 

Visite meus blogs:

http://brisadapoesia.blogspot.com

http://criancaspoesias.blogspot.com

http://preludiodesonetos.blogspot.com         

   

Direitos autorais registrados

Mantenha a autoria do poema

Exibições: 20

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de Sílvia Mota em 17 fevereiro 2017 às 14:35

Comentário de Mônica do S Nunes Pamplona em 15 fevereiro 2017 às 3:12

Uma bela homenagem, poeta.

Bordada a fios de boas lembranças.

Parabéns, pela composição.

Mauro M. Santos

Graça Campos

Carlos Saraiva

José Santiago

Lilian Reinhardt Art

De Luna Freire

Visitantes

Liv Traffic Stats

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço