Imagem relacionada

 

Nascimento de Arabel

 

          Arabel nasceu num desses dias de verão... Uma tarde quente, ensolarada, mas com uns filetes de uma chuva temporã que caiam zombeteiros, aqui e ali. A chuva caia numa ruidosa sinfonia no telhado das simples casas, enquanto o sol teimava em brilhar atrás de umas nuvens brincalhonas.
     Era assim o dia de sol e chuva, calor e umidade, com as águas teimosas correndo pelo chão, quando Arabel nasceu...
     Ele vinha caindo vertiginosamente, com as asas encolhidas para trás, de olhinhos fechados com medo de bater no chão... Quando uma mão firme, calçada de luva o segurou pelos pés, e Arabel, com aquele medo, sequer respirava... encolhidinho, frágil, sem entender como entrava neste mundo.
     Aquela mão desejava fazer Arabel respirar o oxigênio, encher seus pulmões de ar, oxigenar seu cérebro, então aquela mão firme que lhe segurava os pés, recorreu à sua companheira e deu um tapinha no bumbum de Arabel. E Arabel sentindo a primeira dor do mundo, então chorou... Abriu os olhos, olhou em volta tentando reconhecer onde estava.
     Ai, o corpo lhe doía, ...
     Sentia-se tão pequenino. Antes era grande e forte, agora tão frágil... O que fazer nessa nova casca, nesse corpinho minúsculo? Chorar? Sentir o cheiro desta que vai acolhê-lo nos braços, amamentar ao seio e chamar de filho? Reaprender a viver?...
     Arabel naquele visgo vermelho que estavam tentando tirar de si. Introduziram uma sonda em seu nariz aspirando um líquido que ele sequer reconhecia, lavaram-no, vestiram-no e o colocaram numa máquina quentinha, mas não era quente como o céu, de onde ele viera... Não sei se pobre, não sei se feliz. Mas era Arabel no primeiro dia em que aqui nascia...
     Arabel sugou o seio daquela mulher. Arabel sentiu o carinho e a proteção daquelas mãos maternas.  Arabel começou a olhar em volta e descobrir, agora, que mesmo sem as asas que se lhe quebraram na queda, poderia voar: voar na imaginação, voar no tempo, voar, ...  mesmo sem sair do chão. Uns diziam que isso era brincadeira lúdica, outros diziam que era fantasia...
     Arabel hoje crescido, assina, e os outros chamam de poesia...
     Ahhh, Arabel!
     Ahhh, Arabel! Tu és um anjo perdido do céu...
 
By Nina Costa in 21/09/2014.
Mimoso do Sul, Espírito Santo, Brasil.

Exibições: 32

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de Nina Costa em 15 maio 2018 às 19:30

Obrigada, amigos!
Muito agradecida e feliz em saber que vocês gostaram de meu texto. Na verdade, Arabel é um pouco, cada um de nós.

Beijos!

Nina

Comentário de MARGARIDA MARIA MADRUGA em 15 maio 2018 às 14:54

Muito especial. Uma gracinha de texto. ADORÁVEL.

Comentário de Elisiário Luiz em 15 maio 2018 às 14:28

 Maravilhoso texto Nina que seja Bem Vindo...parabéns  Fique Bem!

Comentário de Sílvia Mota em 15 maio 2018 às 9:07

Quanta sensibilidade! Texto poético que embeleza e emociona a alma. Parabéns, querida Nina Costa! Beijossssssssss

Comentário de Elías Antonio Almada em 14 maio 2018 às 15:39

Membros

Designers PEAPAZ

*Sílvia Mota*

*Margarida*

*Nara Pamplona

*Livita*

*Imelda*

*Toninho*

Poema ao acaso...

Visitantes

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço