No peito uma saudade

 

 

Trago no peito uma saudade

Tão antiga. Hoje ela é vovô

Que mistério, esta verdade

Encerra num pranto só.

 

Não pode render-se à sorte

Deste passado cinzento,

Se perto está da morte

Está dentro do pensamento.

 

Que te importa esta saudade

Que punge meu coração

Se a tua felicidade

For a minha punição

 

Perdi nos braços do tempo

Mulher dos encantos meus,

Se pra ela, foi passatempo

Pra mim; não o foi, por Deus.

 

São Paulo, 01-07-2017 (data da criação)

Armando A. C. Garcia

 

Visite meus blogs:

http://brisadapoesia.blogspot.com

http://criancaspoesias.blogspot.com

http://preludiodesonetos.blogspot.com

 

Direitos autorais registrados

Mantenha a autoria do poema

Exibições: 19

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Membros

Designers PEAPAZ

*Sílvia Mota*

*Margarida*

*Nara Pamplona

*Livita*

*Imelda*

*Toninho*

Poema ao acaso...

Visitantes

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço