O Anti Poeta

Escrevi a dor na sua irrealidade

na transcendência do ato de sentir

na irreverente dor de uma saudade

dor que se sente no ato de partir

 

Até no amor que não me bate a porta

aquele calor que não senti jamais

o beijo que meu lábio não comporta

e coisas que para mim não são reais

 

Velas que queimam sem nenhuma chama

lagrima seca que nunca derrama

mais que eu sonho não posso mais sonhar

 

Frases ao vento escrevem meu drama

lençóis de cetim cobrem minha cama

sem ter alguém para que eu possa amar.

Alexandre Montalvan

Exibições: 37

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de Arlete Brasil Deretti Fernandes em 13 dezembro 2017 às 22:15

Um poema muito belo que questiona  a vida de um poeta em seu versejar, sonhando, sofrendo e duvidando do Amor.

Parabéns, Alexandre,

Arlete.

Comentário de Dulce de Souza Leao Barros em 9 dezembro 2017 às 7:21
Dramático e lindo.!
Comentário de Elías Antonio Almada em 9 dezembro 2017 às 2:55

Comentário de MARGARIDA MARIA MADRUGA em 8 dezembro 2017 às 22:01

Gosto da maneira como você poetiza.

Parabéns Alexandre!

Membros

Designers PEAPAZ

*Livita*

*Margarida*

 *Imelda*

*Toninho*

*Reinaldo*

Poema ao acaso...

Visitantes

Liv Traffic Stats

Mídias Sociais

View Sílvia Mota ***'s profile on LinkedIn

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço