Tanto labor tem uma abelha

Captando o néctar de flor em flor…!

Como é admirável uma formiga,

Incansável, na labuta constante…!

Quantos exemplos de empreendimento,

Nos animais, que não descansam…!

Quem não tem pausas é o pastor,

Que num ano inteiro, com o seu gado

Percorre distâncias e trata do seu sustento.

Na renda, gasta-se uma velha,

Enquanto, “dá à língua” com a amiga.

A vida que passa num instante

Gasta-se na dor em que se cansam,

Porque a estima é outro fado:

Do lazer á indolência vai um passo

E porquê modificar o feitio de um madraço?

A formiga e a abelha são, invulgares

E o mel continuará adocicado…!

 

Joantago

Exibições: 19

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de MARGARIDA MARIA MADRUGA em 18 março 2018 às 15:37

Bonita homenagem às abelhas que estão para desaparecer do planeta segundo estatísticas dos movimentos ambientalistas.

Comentário de Elisiário Luiz em 13 março 2018 às 13:39

Há vida nisso à qual me encontro aqui bela...velha está assim para uma máxima sentença...parabéns Fique bem!

Membros

Designers PEAPAZ

*Sílvia Mota*

*Nara Pamplona

*Livita*

*Margarida*

 *Imelda*

*Toninho*

Poema ao acaso...

Visitantes

Liv Traffic Stats

Mídias Sociais

View Sílvia Mota ***'s profile on LinkedIn

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço