Num dia quente dia de verão,
Maria ficou grávida de um poeta.
jamais revelou o nome do mandrião,
fora só um casa banal, mera treta.

Atravessou a gestação sem dificuldade,
conciliando o trabalho no escritório,
nem mesmo abandonou a faculdade,
nem lhe passou pela cabeça um casório.

Se houvesse um mal, casar seria o maior,
pensava assim com placidez espiritual,
um passo de cada vez, devagar com o andor,
as dificuldades venceria e coisa e tal.

O poeta a viu outra vez ainda no hospital,
onde foi tratado como água residual.
Maria sequer registrou o pimpolho neonatal,
em ser ele filho de mãe solteira não viu mal.

Deu o seio para alimentar o rebento,
pensando logo na essência nutricional,
para que fosse bem robusto e com alento,
à creche do jardim de infância municipal.

Lá o pimpolho passava dia mal comportado,
beliscava as meninas, puxava as tranças,
divertia-se num play-statiom importado,
passou por todos os folguedos de crianças

Se ficava doente a enfermeira do no posto,
media a febre e ameaçava com uma injeção,
apesar dos percalços cresceu forte e a gosto,
terminou a faculdade e fez pós-graduação.

Apesar da insistência do poeta e dos vizinhos ,
jamais revelou, nem ao filho a quem-se-sai.
Dizia-lhes que as gatas parem tantos gatinhos,
jamais um deles quis saber quem seria o pai.

Até que enfim o poeta desistiu do intento,
contentando-se em ser chamado de tio,
vez em quando comia um hambúrguer com o rebento,
olhava-o de longe com algum orgulho tardio.

Uma noite o poeta morreu esfaqueado numa esquina,
depois de uma briga com um amigo de bar,
Maria chorou uma furtiva lágrima pequenina,
mais que aquela ninguém a viu derramar.

Numa carruagem tirada por seis Pégasus alados,
a alma do poeta ascendeu talvez rumo ao céu,
Maria trêmula viu o rebento de olhos marejados,
escrever um verso furtivo num pedaço de papel.

® Luiz Morais 

São Paulo - Brasil

Exibições: 61

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de Sílvia Mota em 9 agosto 2016 às 9:23

Comentário de Sílvia Mota em 8 agosto 2016 às 21:05

Belo conto poético!

Quantas Marias nossas de cada dia, veem seus filhos cavalgarem em direção ao céu...

Parabéns e Felicidades!

Beijosssssssssss

Comentário de Maria Iraci Leal em 8 agosto 2016 às 16:47

Luiz Morais 

Estimado poeta, encantado com a estória feito versos,

maravilhosa, encantada, parabéns, bjs MIL.

Comentário de Críspulo Cortés Cortés em 8 agosto 2016 às 14:03

© 2019   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço