O tempo do amor


O verde
no ramo das rosas
e o bater assustado do meu coração
inextinguível está cor furiosa.
A terra
no gosto da boca. Teu beijo me deixa louca
instante supremo
devassidão.

O céu
pontilhado de estrelas, os meus seios nas tuas mãos
devastação expressa na carne
a gota serena que arde
cruel
destino é tão doce esta paixão.

Escuta
este débil poema
não são importantes as chuvas que caem,
vou molhar
meus cabelos nas aguas do vento,
tocar os teus
lábios e a cada momento,
gemer bem baixinho palavras de amor
mas bem sei
que no tempo,...elas se esvaem.

SorrisodeRosas



Exibições: 31

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de Iván em 24 abril 2017 às 21:47

El amor se presenta como radiante sol.

Provoca mil sensaciones. Todo es deseos y emoción. 

Mas... como estrella se aleja, perdiéndose poco a poco en el firmamento, quedando sólo su recuerdo. 

Gusto de leerte, SonrisodeRosa.

Que tengas buen día. 

Membros

Designers PEAPAZ

*Sílvia Mota*

*Margarida*

*Nara Pamplona

*Livita*

*Imelda*

*Toninho*

Poema ao acaso...

Visitantes

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço