Paciência  II

 

 

Paciência, uma virtude a suportar infortúnio

Sem queixas, resignação, perseverança

É cristalina fonte de água mansa

Que corre em noite de novilúnio

 

É resignação, é a constância,

Árvore que tempestade não derruba

Natural, é do leão a própria juba

Rocha de primordial substância.

 

Porte de alma nobre e generosa

Que tem ânimo diligente, ativo

E usa desse adereço na prosa

 

Triunfando do tolo agastamento

Que em fiel e prodigioso motivo

Afasta de si, a ira do pensamento !

 

São Paulo, 15-06-2017 (data da criação)

Armando A. C. Garcia

 

Visite meus blogs:

 http://brisadapoesia.blogspot.com

 http://criancaspoesias.blogspot.com

 http://preludiodesonetos.blogspot.com

 

 Direitos autorais registrados

 Mantenha a autoria do poema

Exibições: 9

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de Sílvia Mota em 19 junho 2017 às 2:08

Sábios versos. Parabéns! Beijossssssssssss

Membros

Designers PEAPAZ

*Sílvia Mota*

*Nara Pamplona

*Livita*

*Margarida*

 *Imelda*

*Toninho*

Poema ao acaso...

Visitantes

Liv Traffic Stats

Mídias Sociais

View Sílvia Mota ***'s profile on LinkedIn

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço