Iemanjá, divindade do grande mar

Quando o “tudo” era o imenso oceano

Imperscrutável, silencioso e destruidor

Senhora da energia misteriosa e criadora

Mãe do equilíbrio, conciliação e amor

Mãe que embala a vida em suas entranhas

Sopro das emoções e inspiração nos homens

Do vigor das vagas ruidosas que dançam

Explodindo em espumas a beira-mar

Protetora dos que navegam em teu reino

Dos que não temem desafios das profundezas

E buscam alimentos para a sobrevivência

Mãe dos sonhos oníricos que invadem a noite

Enquanto a Lua te reverencia no mar

Abençoa a humanidade,

Odoiá minha Mãe Iemanjá.

Exibições: 1081

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de Mônica do S Nunes Pamplona em 5 fevereiro 2013 às 4:30

Lindo, lindo Vera. E merecida homenagem.

Parabéns.

Bjsss

Comentário de Sílvia Mota em 3 fevereiro 2013 às 15:28

Particularizada fé.

Um belo poema.

Beijosssssssssssss

Membros

Designers PEAPAZ

*Sílvia Mota*

*Margarida*

*Nara Pamplona

*Livita*

*Imelda*

*Toninho*

Poema ao acaso...

Visitantes

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço