Por acaso gosto de coisas simples,

De pessoas que não sejam complicadas,

Da vida que acontece naturalmente…

Também, por acaso, quando erro...

Gosto de corrigir as minhas faltas

E aprecio a inteligência autêntica

E não a chico-espertice, agora em voga.

Por acaso adoro uma boa música,

Um quadro ainda que abstracto,

Uma escultura que consiga perceber

E um poema genuíno e sentido.

Acredito que o facto de existirmos

Não é por acaso e muito deverá

À mera escusa de qualquer explicação.

Por acaso, se não me apetecesse,

Não criaria, nem exporia esta dissertação,

Só para que me julgassem impertinente.

Joantago

Exibições: 24

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de María Cristina em 4 janeiro 2018 às 16:02

Comentário de Elías Antonio Almada em 4 janeiro 2018 às 14:33

Comentário de MARGARIDA MARIA MADRUGA em 4 janeiro 2018 às 13:02

Eu creio que todo aquele que se manifesta é um pouco impertinente.

Membros

Aniversários

Designers PEAPAZ

*Sílvia Mota*

*Margarida*

*Nara Pamplona

*Livita*

*Imelda*

*Toninho*

Poema ao acaso...

Visitantes

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço