Sibilando o sonho,
civilmente me ponho
examinando o ponto,
vírgulas do espanto,
desequilibrando.

Identifico plágios,
denuncio ágios.
xingo banqueiros,
atuais bucaneiros
da população acuada,
lesada, explorada
pela administração
cooptada, enferrujada,
despreparada.

Obro protestos,
não admito restos
para o povo que paga,
se esforça, rala,
e ao final se cala.

Alimento fogueiras,
faço clareiras,
acentuo meus esforços,
mergulho nesses poços
me encharco d' água turva,
mobilizo a turba.

Resistir é meu desejo,
contra ordens de despejo,
encarar o "Teje preso"
e a eclosão do medo.

O povo é frágil,
o inimigo é ágil.
O considera manipulável.

Exibições: 132

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de Paolo Lim em 20 abril 2017 às 15:34

Maria-José Chantal F. Dias: Privilégio é merecer sua leitura e seus comentários. Beijos lindos para você, amiga ímpar ! Paolo.

Comentário de Maria-José Chantal F. Dias em 20 abril 2017 às 15:22

O povo é frágil,
o inimigo é ágil.

o olhar e o pensamento com que teces teus poemas

enchem-me de orgulho de ter este privilégio

de te ler e ainda dialogar com o autor....

Beijos de poesiaaaa

Chantal

Comentário de Paolo Lim em 13 abril 2017 às 17:05

Dely Thadeu Damaceno: Tê-lo aqui é sempre uma honra. Obrigado, pois... Miriam Inés Bocchio: Suas palavras complementam o poema. Beijo-lhe às mãos. Elías Antonio Almada: Fico grato pela presença e comentário. Abraços ! Malu Silva:Acho que você tem razão. Um beijo amigo. Sandra Galante: Estamos junto. Obrigado ! Bjs. MARGARIDA MARIA MADRUGA: Mas vamos tentando mudar, né ? Um abração e muito obrigado pela presença. Mauro Martins Santos: Sua presença, sempre criativa e complementar aos meus escritos, é um prazer especial e um prêmio. Muito obrigado e grande abraço ! Críspulo Cortés Cortés: Obrigado, grande amigo !  Sandra Galante: Eita prazer em ler suas palavras ! Bjs no coração. Mônica do S Nunes Pamplona : Concordo plenamente e faço coro, com a esperança que carregas. Um beijo enorme à minha mestra. Paolo.

Comentário de Mônica do S Nunes Pamplona em 13 abril 2017 às 3:33

Apesar de tudo, ainda se tem a esperança de que tudo se resolverá!

Sem dúvida, que teu excelente poema chega a ser um pota-voz, para a justiça que se espera. 

Bravos e mais Bravos, meu querido.

Bjssss.

Comentário de Sandra Galante em 8 abril 2017 às 8:22

Uuuuuuuhuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu!!!

Aplausos! Sou tua fã de carteirinha!

Comentário de Críspulo Cortés Cortés em 8 abril 2017 às 6:16

Comentário de Mauro Martins Santos em 8 abril 2017 às 1:33

Aula de conjugação verbal na Academia de Polícia Federal

 ********************************************************************************************************************

Parabéns é meu pensar, sem plágio, contudo paralelo, que dizem que tais linhas matemáticas só se cruzam no infinito. Antes porém seremos conformes na indignação, quando vejo os"pais" da atual situação, os grandes fincadores de "postes" (no brejo) em horário (erário) político dizerem: "não os abandonamos, estamos ao seu lado, até a vitória em 2018", MISERICÓRDIA!!! Vou voltar e reler tua poesia poeta Paolo Lim, PARA CONSOLO E DESABAFO, nosso desabafo...

PARABÉNS MEU AMIGO, COMO SEMPRE TRAZENDO A VERDADE DA HORA E VEZ

Comentário de MARGARIDA MARIA MADRUGA em 7 abril 2017 às 20:52

E, infelizmente, o povo o é.

Comentário de Sandra Galante em 7 abril 2017 às 20:00

Aplausos!!!!

Comentário de Malu Silva em 7 abril 2017 às 18:16

Creio que o povo, de tão cansado e sofrido e exposto em demasia, acaba por se sucumbir, achando que não há muito por se fazer...

Membros

Poema ao acaso...

Pensamento do dia

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...