Olhando para as várias cicatrizes

Ao coração viagens proporciono
Rememorando os passos infelizes
Sangrias infernais de um longo outono

Sob o cinzel que fere os aprendizes
Penei qual reles pedra de carbono
Sofri mutilações, mas as raízes
Mantive alimentadas, são meu trono

Sarado, agora sei que os duros cortes
Em minha carne, embora doloridos
Forjaram pés guerreiros, braços fortes

Uma verdade que não se refuta:
Nós somos lapidados se pungidos
Crescendo mais e mais a cada luta

Exibições: 19

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Membros

Designers PEAPAZ

*Sílvia Mota*

*Nara Pamplona

*Livita*

*Margarida*

 *Imelda*

*Toninho*

Poema ao acaso...

Visitantes

Liv Traffic Stats

Mídias Sociais

View Sílvia Mota ***'s profile on LinkedIn

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço