Um rio caudaloso, efervescente
Por ávidas serpentes infestado
Afoga a timidez, corre apressado
Fazendo o coração pulsar contente

Da presa incauta o rubro entorpecente
Colore as bravas águas derramado
E as feras desejosas por pecado
Salivam sem controle, loucamente

Devoradora insânia me extasia
Tu sabes acalmar essa agonia
Que sem pudor nenhum de mim se apossa

Nos lábios teus sacio esse apetite
À perdição, amor, tu és convite
Espero-te ansioso, a noite é nossa!

Exibições: 8

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Membros

Poema ao acaso...

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...