Silêncio

 

O interior sombrio grita,

E os ecos machucam as plaquetas,

Diminuindo a defesa, fazendo brotar a rima

Que circula nas veias como flageladas...

Sem direção vai magoando a trilha.

 

Inchando e extravasando na pressão,

O que se faz normal nesta ocasião de tensão.

Passando envenenado pelo coração,

Congelando o sopro e abatendo o pulmão.

 

Sufocado, o som sai sem controle,

Ecoando como um jato pelo horizonte,

Além-mar... Sem atingir nenhuma fonte...

Vai perdendo a força... Suavemente!

 

O ar seco é umidificado no retorno

Aliviando o corpo na renovação.

Nesta condição... O inexplicável da sombra...

Um novo sorriso surge, clareando a dimensão!

Cláudia Gama - PEAPAZ

Foto: Google

01/05/2013

https://www.youtube.com/watch?v=VFqT7KLbC9o#action=share

Exibições: 164

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de Lúcia Cláudia Gama Oliveira em 13 novembro 2015 às 22:00

Agradeço: Iraci, Lais, Vera... Bj, no coração!

 

Comentário de Vera Regina Cazaubon em 12 novembro 2015 às 15:53

Um perfeito e magnífico silêncio que fala  de sentimentos de forma magnífica, parabéns minha querida. Uma beijoka com carinho. 

Comentário de Lais Maria Muller Moreira em 10 novembro 2015 às 17:21

Os sons que se nos dirigem sempre são sondados. Belos momentos são multiplicados onde a razão é o viver. Parabéns Claudia!

beijo

Comentário de Maria Iraci Leal em 10 novembro 2015 às 16:46

Cláudia Gama

Belíssima inspiração,

encantada com os teus versos,

parabéns querida poetisa, bjs MIL.

Comentário de Mônica do S Nunes Pamplona em 3 maio 2013 às 2:19

Um momento abençoado por tamanha inspiração!

De um Silencio interrompido pelo som, também se faz poesia.

E que poesia!!!

Aplaudindo daqui.

Bjssss  no coração. 

Comentário de Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ Sílvia Mota Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ em 2 maio 2013 às 12:40

Através da renovação se (re)vive.

Belo poema.

Parabéns!

Beijosssssss

Comentário de Vera Regina Cazaubon em 2 maio 2013 às 12:22

Um poetar onde a sensibilidade borda com letras de ouro a composição, parabéns amada poetisa

Comentário de Luly Diniz em 2 maio 2013 às 11:56

Belíssimo... Um belo poema.

Bjos da Luly.

Comentário de Janete Francisco Sales Yoshinaga em 2 maio 2013 às 11:03

Sublime...minha querida amiga!

Meus aplausos

Beijos no coração

Comentário de Marcia Portella em 2 maio 2013 às 10:42

Belo,a claridade sempre surge no respirara da vida...

Membros

Poema ao acaso...

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...