O silêncio que fala, arquivado no céu da boca.
Dentes cerrados que rangem.
Tarde igual de céu opaco, horizonte próximo,
mesmice do ócio.
Um cesto de pães dormidos, ligeiramente comidos
por dentes apodrecidos, careados, frágeis, doloridos.
Azedo cheiro de azeitonas velhas, restos nas panelas,
poidas cortinas nas janelas.
Decadência exposta sem prudência.
A sujeira dos nascimentos e da inocência.
Migração de cores,
suaves exposições de maus odores,
poeiras acumuladas nas prateleiras,
espedaçar das boas maneiras.
Fim do lógico, os ilícitos.
Escolhas de novos inícios.
Caótico armistício
duma vida em particípio.

Exibições: 78

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de Paolo Lim em 24 julho 2017 às 16:09

Mauro Martins Santos : Sua presença e palavras para comigo são vendadeiros incentivos. Muito obrigado.
Miriam Inés Bocchio : Obrigado doce poetisa. Um beijo do amigo Paolo.
Sueli Fajardo: Suas palavras, sempre sábias e de incentivo, me são um bálsamo. Bjs do Paolo.
Waulena d'Oliveira Silva:Como sempre, me dando satistisfação e honra. Bjs do Paolo.

Comentário de Paolo Lim em 24 julho 2017 às 15:53

MARGARIDA MARIA MADRUGA Elías Antonio AlmadaƸ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ Sílvia Mota Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ : A presença e comentários de vocês me enche de satisfação. Muito, muito obrigado ! Abraços e beijos do Paolo.

Comentário de Waulena d'Oliveira Silva em 24 julho 2017 às 15:24

Wow !  Contundente !...

Como toda verdade...

Parabéns Amigo !

Bjss Wau

Comentário de Sueli Fajardo em 23 julho 2017 às 11:56

Há, também, na solidão, o encontro conosco, tão necessário. Lindos e tristes versos, meu amigo.

Comentário de Miriam Inés Bocchio em 21 julho 2017 às 22:49

Comentário de Mauro Martins Santos em 21 julho 2017 às 19:49

Mesmo passageiramente sem tempo hábil, venho lhe prestigia caro amigo. O poema é bom demais, além de nos ensinar a escrever bonito de forma simples, confere congruentemente com o título. A decadência física e mental do solitário é diretamente ligada à falta de alguém. Melhor que sejam dois, não um. Quando um cai outro o levantará. Meu forte abraço amigo Paolo.

Comentário de Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ Sílvia Mota Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ em 18 julho 2017 às 22:05

 Forte...

Comentário de Elías Antonio Almada em 18 julho 2017 às 14:52

Comentário de MARGARIDA MARIA MADRUGA em 18 julho 2017 às 14:15

Muito bem feito, Paulo. Parabéns.

Membros

Poema ao acaso...

Pensamento do dia

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...