Solilóquio do Amor

Não sei por que vem, por que
vem como um vulcão agonizante
deita e se esparrama pela cama
onde o amor já está ausente.
É uma vela apagada
com a fumaça flutuando no ar,
quando toda a explicação é nada
porque nada se pode explicar.
O amar não é uma chama eterna,
pois a vida é uma difusa trama
e o drama já começa por ai
e quando o amor termina
não adianta dar tipi.
Escrever
talvez seja um bom negocio
pois se nem chorar eu posso
vou rezar o pai nosso
quem sabe sirva de consolação,
o amor é como uma andorinha
que quando voa e esta sozinha
não consegue infelizmente fazer verão.

Alexandre




Exibições: 25

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Membros

Poema ao acaso...

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...