Ofereço este singelo fruto da minha inspiração,

à querida amiga, poeta e escritora Marcia Portella,

pela leitura que faz da minha alma, através dos meus poemas.

A imagem que ilustrava o poema foi transferida

para o Grupo "Imagens Sensuais" da Rede Belas Artes Belas.

Um infinito amor nas nuvens do Infinito

Nas brumas da saudade há beijo apunhalado,

viés de amor perdido em luz-paixão fecunda.

Revivo na lembrança o olhar que afoito inunda

de verve entusiasmante a flor desse pecado.

O céu transborda em cor e abriga o sonho amado,

que em mar interstellar formoso se aprofunda.

No palco sem festim de história moribunda

atesto em pranto d’ouro o fausto do passado.

Dilúvio no jardim – ah! vida mentirosa!

Silêncio faz morada e assume a cor do cisne

que é negro ao cintilar do Sol em verso e prosa.

Entrego-me à tristeza – há dor em tempo inteiro!

O sofrimento aflora e canta em pranto tisne

a busca entre os lençóis do teu robusto cheiro.

Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz

Rio de Janeiro, 26 (17h26) e 30 de abril de 2017 (00h17)

Fundo musical: ♥O Cisne. Charles-Camille Saint-Saëns♥

Exibições: 193

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de Dulce de Souza Leao Barros em 31 julho 2017 às 19:30
Me encantou de forma admirável. Mais uma vez , Parabéns querida Silvia.
Comentário de Etelvina Gonçalves da Costa em 31 julho 2017 às 18:31

Não me canso de ler este poema escrito pela nossa maravilhosa poetisa Sílvia  Acho lindo . emocionante perfeito. Parabéns Sílvia bjinhos ....

Comentário de Nieves Merino Guerra em 21 junho 2017 às 20:02

Simplesmente maravilhoso, muito bom, belo, emotivo... Um conjunto espectacular.

 Parabéns amada e ilustre Silvia.

 Beijos

Comentário de Nieves Merino Guerra em 21 junho 2017 às 20:01

Comentário de Paolo Lim em 14 maio 2017 às 19:46

A qualidade artística deste soneto salta aos olhos do mais obtuso censor. Creio que estas medidas restritivas que abundam no Facebook e outras Redes Sociais são resultantes de análises eletrônicas que não distinguem qualidade, mas apenas fotos e palavras que isoladamente acionam o bloqueio. Cabem reclamações e esclarecimentos. Me solidarizando por este absurdo que sofreu, lhe envio um beijo.  

Comentário de Miriam Inés Bocchio em 10 maio 2017 às 22:19

Comentário de Vera Regina Cazaubon em 8 maio 2017 às 0:12

Magníficooooooooooooooooooooooooooooo, percepções, sensações, emoções e sentimentos aflorados na alma e na pele. Ler-te preenche as lacunas entre sonhos e realidade. Parabéns querida poetisa,beijos no  coração.

Comentário de Marcia Portella em 6 maio 2017 às 20:59

Linda, minha alma fragilmente pousa acolhida em suas letras,
deixando em cada verso, o gosto do mar ausente

Te abraço

"Dilúvio no jardim – ah! vida mentirosa!
Silêncio faz morada e assume a cor do cisne
que é negro ao cintilar do Sol em verso e prosa."

Comentário de María Cristina em 3 maio 2017 às 23:08

Bellísimo poema Maestra, siempre es un gran placer leerte.

Beijos

Comentário de Dulce de Souza Leao Barros em 2 maio 2017 às 5:26
Seus poemas sempre me encantam. São belos e profundos. Parabéns, amiga Silvia.

Membros

Poema ao acaso...

Pensamento do dia

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...