XXVII

 

Verás que me amaste, Amor, um dia

Quando em lúbrica Dor estremeceres,

Por já minhas lascivas mãos não teres

Para encendiar-te est' Alma fria.

 

Que nem sequer, ao menos, balbucia

Qual dantes um gemido para creres

Que de meu longo afago, os prazeres,

O alvo corpusc'lo teu não carecia.

 

Mas se te enredas já a outro sujeito,

Enquanto a Outra chamo de Rainha,

É que sei que esse não fará bem feito...

 

Visto que sua boca mui mesquinha,

Nem mesmo tocará teu ardente peito,

Pois antes lhe dirás que és só minha...

Queiroz Filho

Exibições: 25

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de Queiroz Filho em 7 março 2017 às 7:39

Contagiado com teu encanto.

Comentário de Maria Iraci Leal em 6 março 2017 às 21:16

Queiroz Filho

Nobre poeta,

encantada com as tuas belíssimas letras,

parabéns, beijos MIL.

Membros

Aniversários

Aniversários de Hoje

Poema ao acaso...

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...