Imagem Google

 

Você!

 

 


Que abusa da aquarela
Faz nuance em bela Tela
Pinta sua esfera... 

Que forma brilho
Feito do trocadilho
Em tempo de frio.

Que espera...


Faz do pó d’ouro
A liga do couro
E desfila no tesouro.

Que tempera...


E ao final, ergue
Seu leque em sinal
Do breve... Mais leve!

    Cláudia Gama - PEAPAZ

13 / 03 /2014

                                                            
                                                                   

Exibições: 256

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de Lúcia Cláudia Gama Oliveira em 24 fevereiro 2017 às 21:40

 Muito obrigada!

 Mônica, Sílvia , Etelvina e Miriam... Meu carinho!

 Bjsssssssssss

Comentário de Miriam Inés Bocchio em 21 fevereiro 2017 às 19:56

Comentário de Etelvina Gonçalves da Costa em 21 fevereiro 2017 às 6:12

Lindo poema  seus poemas são muito inteligentes uma imaginação sóbria mas que é ofuscada pela beleza do seu expressar .. Muito belo.. Música linda. Um beijo querida amiga

Comentário de Sílvia Mota em 21 fevereiro 2017 às 1:51

Releio teu poema e, por tão belo, mais uma vez, destaco-o.

Beijossssssssssssss

Comentário de Mônica do S Nunes Pamplona em 29 novembro 2016 às 21:30

Relendo.

Bravíssimoooo.

Bjsss.

Comentário de Lúcia Cláudia Gama Oliveira em 26 maio 2015 às 23:49

Belo comentário Mauro!

Obrigada pelo carinho.

Beijos

Comentário de Mauro Martins Santos em 21 maio 2015 às 23:13

Admirável a emotividade conseguida em tão curto tempo. Digo Tempo, porque em literatura poética há a nulidade do fator cronológico e cronométrico. Pode havê-los, mas não é o fulcro de nosso desiderato. Poesia busca emoção e aí acima se constata; "o breve mais breve" apagou o Tempo. Parabéns pelo perfeito enlace entre o título singelo e a poesia rica e emotiva correndo célere para "o breve mais breve"cuja nulidade do Tempo produz a antítese que é a Eternidade, sem início nem fim. "O Tempo, se nele penso eu o sei, mas se me perguntam já não o sei mais" - Santo Agostinho de Ipona. 

Comentário de Lúcia Cláudia Gama Oliveira em 21 maio 2015 às 19:05

Grata, pelos comentários.

Silvia Mota, Paolo e Iraci.

Beijo e abraço.

Comentário de Maria Iraci Leal em 21 maio 2015 às 0:30

Lindo demais. adorei, parabéns querida poetisa, bjs MIL.

Comentário de Paolo Lim em 20 maio 2015 às 9:00

Como é gostosa essa leveza que aprofunda, rima e personaliza sua poesia... Parabéns !

Membros

Designers PEAPAZ

*Sílvia Mota*

*Nara Pamplona

*Livita*

*Margarida*

 *Imelda*

*Toninho*

Poema ao acaso...

Visitantes

Liv Traffic Stats

Mídias Sociais

View Sílvia Mota ***'s profile on LinkedIn

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço