Marcelo Udo
Compartilhar
  • Mensagens de blog
  • Tópicos
  • Eventos
  • Grupos
  • Fotos
  • Álbuns de Fotos
  • Vídeos

Amigos de Marcelo Udo

  • María Cristina
  • Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ Sílvia Mota Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ

Presentes recebidos

Presente

Marcelo Udo ainda não recebeu nenhum presente

Dar um presente

 

Página de Marcelo Udo

Informações do Perfil

1 - Indicar teu nome verdadeiro, por completo, e o nome a ser usado no Portal PEAPAZ.
UDO
2 - Local da tua residência: cidade, estado e país. Por motivos de segurança, não indicar endereços completos.
SBC
3 - Como chegaste ao Portal PEAPAZ?
Uma poetisa amiga minha que aqui também está.
4 - Traça-nos tua trajetória no âmbito das artes/literatura/ciência.
Assim como Manuel, aquele da mais alta Bandeira, sou da área dos números e admiro a inteligência artificial, pois pesquisando as ações humanas mais simples, mais aprendo a admirar o ato da criação.

Minhas influências são Carlos Drummond de Andrade, Luis Vaz de Camões, Dante Alighieri, Stan Lee, Frank Miller e Paulo Leminski.

"E está dito".
5 - Concordas que utilizarás o Grupo Sensuais e Eróticos SE publicares imagens de nu explícito?
Sim
6 - Link para site/blog próprio.
www.udo.recantodasletras.com.br
7 - Insira aqui os links para teus perfis nas Redes Sociais.
https://www.facebook.com/marcelo.udo.5
8 - Publica três poemas ou textos da tua autoria.
Situado no Largo de Marília, logo após a Ponte dos Suspiros e junto ao Solar dos Ferrões, foram o teatro de todo o idílio entre Tomás Antônio Gonzaga (Dirceu) e Maria Dorotéia Joaquina de Seixas Brandão (Marília) - Marcos O.

SONETO DOS AMANTES - PARA ANTÔNIO E DOROTÉIA

Encontravam-se ali os apaixonados
na noite escura, enfim, p'ra se esconder
daqueles tolos, nunca os podiam ver
como amantes e assaz afortunados.

Pisando neste chão quis antever
sentimento do par tão encantado,
Que os versos de paixão, vida marcados,
fizeram-nos do amor deles saber.

E hoje aqui, nada há além da poesia,
que Dirceu por amor as escrevia
para Marília, seu bem tão amado.

E aquele dia, aquele lugar, via
que em Ouro Preto não mais existia
aquele amor que havia já passado.

Udo
--------------------------------------------
SONETO DA SAUDADE

A saudade vem livre p'ra ir e vir
e atravessa com traços nosso tempo,
pela velocidade deste vento,
que mesmo ora no peito faz surgir.

Como sementes prontas a imprimir
o que nunca envelhece em si a contento,
com sorrisos e fugas - contratempo,
nestes versos que não querem partir.

P'ra então estimular estes que escutam
e respeitam a história desta vida,
deixando os sentimentos para os que amam.

Da saudade tornar mais atrevida
sobre os contos daqueles que já foram
que tornaram a vida mais vivida.

Udo
---------------------------------------------

SONETO DA FLOR DO CÉU DE DOM CASMURRO
A Machado de Assis:
"Oh! Flor do céu! Oh! Flor cândida e pura."
Que guia nossa vida, nossa busca,
num túnel longo cuja luz ofusca
o prêmio por viver em tal candura.

Pois o que existe é fato: não corusca.
Brilho não há, repousa a face dura,
que há muito deixou de ser nossa cura
por esta vida tanta escolha brusca.

Pois viver, caminhada até a mortalha,
é a cada dia com maior altura.
À procura do amor que, então, nos valha.

No final, a alma não pode ser palha.
Perder mas ter uma alma que perdura.
"Ganha-se a vida, perde-se a batalha!"

Udo

(*) DOM CASMURRO - CAPÍTULO LV / UM SONETO
"[...] Contarei a história de um soneto que nunca fiz: era no tempo do seminário, e o primeiro verso é o que ides ler: Oh! flor do céu! oh! flor cândida e pura!
[...] Assim foi que me deter minei a compor o último verso do soneto, e, depois de muito suar, saiu este: Perde-se a vida, ganha-se a batalha!
[...] A sensação que tive é que ia sair um soneto perfeito. Começar bem e acabar bem não era pouco. Para me dar um banho de inspiração, evoquei alguns sonetos célebres, e notei que os mais deles eram facílimos; os versos saíam uns dos outros, com a idéia em si, tão naturalmente, que se não acabava de crer se ela é que os fizera, se eles é que a suscitavam. Então tornava ao meu soneto, e novamente repetia o primeiro verso e esperava o segundo; o segundo não vinha, nem terceiro, nem quarto; não vinha nenhum. Tive alguns ímpetos de raiva, e mais de uma vez pensei em sair da cama e ir ver tinta e papel; pode ser que, escrevendo, os versos acudissem, mas... Cansado de esperar, lembrou-me alterar o sentido do último verso, com a simples transposição de duas palavras, assim: Ganha-se a vida, perde-se a batalha! [...]".

Udo e Machado de Assis

Caixa de Recados (10 comentários)

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Às 21:30 em 14 setembro 2017, MARGARIDA MARIA MADRUGA disse...

FELIZ ANIVERSÁRIO MARCELO!

Às 3:08 em 14 setembro 2017, Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ Sílvia Mota Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ disse...

Às 19:27 em 13 maio 2017, MARGARIDA MARIA MADRUGA disse...

FELIZ DIA DAS MÃES!

Ser Mãe é assumir de Deus o dom da criação, da doação e do amor incondicional. Ser mãe é encarnar a divindade na Terra. - Barbosa Filho

Às 11:05 em 13 maio 2017, Marcia Portella disse...

Bem-vindo ao nosso recanto do amor e da paz...

Às 0:38 em 13 maio 2017, María Cristina disse...

Gracias por tu amistad!!!!

Às 14:21 em 12 maio 2017, María Cristina disse...

Às 11:14 em 12 maio 2017, MARGARIDA MARIA MADRUGA disse...
BEM VINDO MARCELO!
Às 4:31 em 12 maio 2017, Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ Sílvia Mota Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ disse...

Às 4:30 em 12 maio 2017, Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ Sílvia Mota Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ disse...

Às 4:20 em 12 maio 2017, Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ Sílvia Mota Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ disse...

 
 
 

Membros

Poema ao acaso...

Pensamento do dia

Autores em destaque - hoje 

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...