Ao final...

 

Cobre-me de ramas,

Cobre-me simplesmente

De verdes ramas.

 

Afasta de mim

A efemeridade

Das rosas, belas rosas.

 

Cobre-me de ramas,

Verdes e tenras ramas,

Que anseio a eternidade.

 

Nada mais!

 

 

JCVMoura, 05/01/2014, 15:53

Exibições: 44

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de Sílvia Mota em 16 março 2014 às 22:38

A eternidade da vida como objetivo final...

Para refletir...

Membros

Designers PEAPAZ

*Sílvia Mota*

*Margarida*

*Nara Pamplona

*Livita*

*Imelda*

*Toninho*

Poema ao acaso...

Visitantes

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço